Sobre dar um tempo das redes sociais

O mundo anda muito moderno para alguém com a alma antiga feito eu...

Não me entendam mal. Sempre gostei de internet, tenho verdadeira paixão pelo o que as redes sociais podem fazer positivamente para as vidas das pessoas. 
Adoro o fato de podermos nos mostrar para o mundo e me anima a possibilidade de fazermos algum tipo de bem ou diferença quando usamos as ferramentas de maneira inteligente.

Com o tempo, as experiências e a maturidade que a vida vai nos presenteando, me vi em um lugar que não fazia mais tanto sentido assim pra mim. Talvez eu tenha mudado, talvez (muito provavelmente) eu não tenha mudado tanto assim, só que agora consigo enxergar velhos hábitos por uma nova perspectiva.

Resolvi dar um tempo do Instagram. Tô falando para as minhas amigas que é uma espécie de detox de mídias sociais. Eu respiro (respirava) a vida do Instagram. Nunca esqueci da vida real - que é mil vezes mais importante - mas comecei a sentir que estava perdendo meu tempo ficando conectada demais com o que eu queria postar e com o que as outras pessoas escolhiam postar. Sim, escolhas. Curioso, né?  Nós que escolhemos uma parte da nossa vida que seja instagramável para deixar exposto para todos e tomamos isso como realidade!

Comecei a me questionar. Aí já viu, né? Bombas para todos os lados. "O que eu estou fazendo?"; "Eu sou mais interessante que meu Instagram"; "Isso aqui não é tão real como parece ser", etc e tal. A gente acaba condicionando nossos pensamentos e nosso tempo livre em algo que não é concreto, em algo que nos afasta da experiência da vida de verdade.

Eu busco ser o mais real possível diante de todas as minhas ações e peculiaridades. Senti que o Instagram estava me atrapalhando. Minha própria ferramenta de estudo e trabalho! Que loucura.

Obviamente, esse hiato não vai durar muito tempo, até porquê estou falando do meu objeto de estudo e trabalho, porém, a partir de agora, vou saber conduzir essa relação de forma mais saudável, simplesmente porque percebi a diferença entre o valor real das coisas e a importância que você pode dar para algo só para preencher algum tipo de vazio, ou para fazer parte de um grupo.

Meu objetivo com esse post, além do desabafo, é alertar que sua vida real (estudos, trabalho, amigos, relações, família, prazeres e lazer) pode ser mais interessante do que a tela do celular, e que com certeza É mais importante do que a treta das celebridades, a gravidez da famosa, o carro caríssimo que o artista teen ganhou, os milhões de views no clipe sobre o tinder que seu cantor preferido faturou. 

Busquemos a profundidade em nós mesmos. E que as redes sociais nos acompanhem nesse processo, até porque nós somos as redes sociais.
Amém?
Vá por mim. Viva sua vida.
A real.

Autor desconhecido (Achei no Instagram rs antes de começar a detox!)

Um comentário:

  1. Olá Alissa! Fiquei sem utilizar as redes sociais Instagram e Facebook um mês. Estava muito tóxico, fiz por indicação de um curso de PNL. Deixei de parabenizar alguns amigos e também prestar algumas condolências. Estou voltando agora, dando uma olhada nas notificações. Estou voltando com um outro sentido do desapego e sem muita importância. Tenho igualmente a você uma alma antiga e ao mesmo tempo sempre ligado nas tecnologias. Mas nunca deixei de valorizar os olhos em outros olhos, a janela da alma.
    Eduardo Xavier.

    ResponderExcluir