Vamos conversar sobre a ditadura da beleza?

Você já se comparou com outra pessoa? Já se diminuiu em seus próprios pensamentos? Já se sentiu mal por não estar satisfeita com algo sobre você?

Se disse sim a uma ou a todas essas perguntas pode ficar tranquila, você não está sozinha. 

No mundo de hoje, principalmente com a "realidade fake" das mídias sociais, é comum questionarmos vez ou outra nossa beleza e nossa auto satisfação a respeito de quem somos.

O que não é normal é que isso se torne uma prática habitual e que se transforme em algum tipo de depressão, ansiedade ou até mesmo em vários dias difíceis.

Existe algo chamado "padrão de beleza" que persiste em todo lugar do mundo que pode atrapalhar, principalmente a nós mulheres, que historicamente somos escravas da nossa própria aparência. Eu não vou ser hipócrita aqui, eu faço parte do tal padrão de beleza que a sociedade impõe, mas isso não me torna menos capaz de falar sobre o assunto.

É incrível, no sentido literal da palavra, como cor da pele, textura do cabelo e peso corpóreo ainda ditam se uma pessoa é bonita aos olhos da maioria ou não. O superficial ainda ganha da profundidade e das qualidades que todo ser humano carrega. Já refletiu sobre isso?


- Mas, Alissa, você que é tão padrãozinho, não vá me dizer que já se sentiu mal com sua própria aparência!
Já ouvi essa afirmação velada de pergunta algumas vezes.

Ao passar dos anos, com o auto conhecimento que é necessário a todos nós, as coisas rasas vão perdendo a importância e você descobre que a melhor coisa do mundo é se sentir realizado e feliz com a pessoa que você é. Sim, o velho "bom coração", "bom caráter". Clichê mais lindo esse!

Confesso que sou bem satisfeita com minha aparência externa, mas não consegui nada disso do dia para a noite, houve muita reflexão, desconstrução, evolução. Não basta apenas se gostar por um lado, tem que se gostar por inteiro. É o chamado exercício diário, buscar amadurecer e conviver com os próprios defeitos também.

Como diz a frase acima, vamos focar em, ao invés de nos preocuparmos tanto com nossa beleza física, buscarmos ser fortes, boas, bem humoradas, inteligentes. Obviamente cuidar da beleza externa é maravilhoso (falou a blogueira!), mas não devemos resumir quem somos apenas a isso. Somos várias, somos muitas, somos mais!

Ser mulher por vezes é complicado. Penso que seja muito difícil para quem não faz parte da ditadura da beleza viver uma vida tranquila o tempo todo. Mas também acredito que bonito mesmo é ser real, diferente, único. Não existe ninguém igual a ninguém neste planeta, e essa é a mágica por trás da existência.

Minha dica é: se valorize. Valorize-se para si mesma. O que você tem de bom explore, jogue para fora, inspire. Não inveje, admire. O que tem de ruim, busque melhorar. Se não gosta de usar o cabelo de um jeito, mude. Se gosta, deixe. Se não quer emagrecer, não emagreça. Para fazermos nossa diferença no mundo, temos que fazer a diferença em nós mesmas primeiro.

Sejamos nossas melhores amigas.

Um comentário: