13 Reasons Why - 2ª temporada, bullying, assédio e suicídio

"Quando eu era criança, tinha uns 9 ou 10 anos, estava gripada e espirrei no bebedouro da escola. Na hora desceu secreção, alguns meninos viram e eu fiquei sendo a catarrenta da escola durante todo o ano. Fiquei bem triste, mas depois percebi que o bullying não era minha culpa." F.S, 18 anos.

"Já sofri bullying por ser magra. Fui chamada várias vezes de Olívia Palito em uma escola que estudei. Passei muito tempo odiando meu corpo." P.R, 20 anos.

Há 1 ano, eu assistia e escrevia aqui sobre a primeira temporada de 13 Reasons Why. Série atualíssima, relevante e necessária que está na Netflix.

Acabei o último episódio da 2ª temporada nesta semana, e iniciei um papo nos meus Stories do Instagram querendo saber a opinião das pessoas sobre os assuntos tratados na série, histórias de abuso, assédio e bullying que me ajudassem a escrever esta matéria.

Hoje em dia, sabemos que o Bullying é uma realidade, mas ainda choca ouvir e ler relatos de tantas pessoas sobre o assunto. E a 2ª temporada foi bem construída e trouxe muitos pontos a serem analisados e discutidos.

foto divulgação/metro jornal

O segundo ano da série traz novos desdobramentos, novas agressões, a questão da justiça em assuntos ligados à relação família-escola e muitas reflexões. 
Não darei spoilers! Na minha opinião, a série se desenvolveu e construiu um roteiro brilhante, com atuações ótimas e direção impecável. Traz tramas ousadas, realistas e fortes, e eu espero muito que haja uma terceira temporada!

Como contei no ano passado aqui, eu tenho uma experiência com o bullying que me tornou uma pessoa mais forte, mas não foi nada traumático. A realidade é que na maioria das vezes, as consequências para quem sofre qualquer tipo de assédio são muito sérias!

foto/ divulgação/ pure break

No primeiro depoimento que abre este texto, percebemos que uma situação do dia a dia pode provocar uma experiência constrangedora em alguém. Crianças e adolescentes, tantos os que tem tendência a praticar o bullying, quanto os que sofrem, devem ter acompanhamento da família, da escola e, em muitos casos, terapeutas e equipe médica responsável.

Já no segundo, vemos que o corpo humano é motivo de desrespeito. Somos diferentes, e é essa a graça de viver. Quantos distúrbios alimentares, comportamentos ansiosos e doenças podem atingir uma pessoa que é maltratada simplesmente por ser o que é? Essa pergunta retórica é exatamente para nos provocar reflexão e não minimizarmos o problema do outro.

Com a leitura, o acesso à informação, a conversa e sem preconceitos, progrediremos, nos identificando ou tendo empatia com o próximo. Assim, conseguimos melhorar, por pouco que seja, nossa sociedade.

foto divulgação/ clube minha série
"Aconteceu comigo no segundo ano do ensino médio, tinha 16 anos. Meu professor de história ficava implicando comigo e meu colega. Chegou ao ponto de me "imitar", gesticulando e me tirar da sala por nada, na frente de todos. Depois de um tempo descobri que ele tinha raiva de mim e do meu amigo. Ele achava que fossemos um casal, o que não era verdade, mas mesmo se fosse. A postura estava totalmente errada! Falei com a coordenação e eles disseram que eu estava exagerando. Infelizmente, deixe a matéria à toa e sofri nas aulas, já que até na hora de corrigir as provas, ele me atingia." GF, 22 anos

Pensem em quantas pessoas odeiam seus corpos, não tem auto estima, se acham ruins ou sem dignidade apenas pelo comportamento errático de outras! Suicídio, ansiedade, depressão, estupro, abusos e assédios são palavras fortes, poucas vezes discutidas pela negatividade que carregam, mas só com o diálogo e a troca de ideias podemos mudar alguma coisa.

Se você precisa de ajuda ou conhece alguém que precise, a série disponibilizou um canal que alcança vários países do mundo https://13reasonswhy.info/

Você é uma vítima de bullying? Não se desespere. A culpa não é sua! Procure ajuda e saiba que a vida tem muito ainda a oferecer.

É do time que pratica o bullying? Você também precisa de ajuda, melhore e a vida também vai melhorar pra você.

Beijos e até a próxima.
@alissamagalhaes

Nenhum comentário:

Postar um comentário