Para todas as mulheres #8deMarço

Acordar. Sair. Estudar. Trabalhar. Em casa. Na rua. No mundo. Em tudo. 

Cuidar. Cultivar. Esperar. Ansiar. Conseguir. Comemorar. 

Com filhos. Sem filhos. Casadas. Solteiras. Namorando. Ali ou Aqui. 

Fortes. Sensíveis. Confusas. Seguras. Poderosas. 

Humanas. 

Hoje acordamos em mais um dia internacional da mulher e, no mundo que vivemos hoje, é um dia forte para fazer reflexões. Só quem é mulher sabe o que é ser mulher, todas as dores e delícias, tudo o que já vale à pena, tudo o que ainda precisa acontecer.

Você que está me lendo agora, vai perceber que esse texto traz mais perguntas que respostas, mas acima de tudo, reconstruções. 

Eu não acredito em radicalismos. Eu acho que feminismo é lutar pelo direito de qualquer ser humano ser o mesmo, ponto. Acho que o discurso do politicamente correto já deu o que tinha que dar, acho sim que tem um monte de mimimi por aí, que qualquer opinião diferente virou preconceito, acho que empoderamento é uma palavra altamente banalizada, etc. Acho um saco quem diz que se o homem abre a porta do carro pra você, ele - de alguma forma - está querendo te manipular. Eu adoro cavalheirismo! Acho um saco quem diz que quem gosta mais de chocolate branco do que preto é racista! Ai que preguiça...

Por outro lado, também acho que posso pensar assim e ficar incomodada com esses discursos porque nunca sofri nenhum preconceito que me fizesse algum mal direto, sim é possível. Nasci privilegiada e posso não entender ao certo todas essas lutas que existem na internet hoje em dia.

Mas respeito tudo, até porque quem nunca foi assediada por mostrar suas pernas na rua? Fiz meu TCC na faculdade sobre o assunto. Ser mulher é difícil pra caramba!
De coração aberto, não concordo com nenhum discurso em demasia, mas respeito, porque a chave de tudo é a empatia. Não sabemos dos leões que cada um tem que matar por dia, não é mesmo? Só acho que temos que ser equilibradas e coesas em nossas ações e palavras, pois a credibilidade e o respeito que tanto queremos nascem desse equilíbrio.

foto divulgação/google
Todas nós somos mulheres, seres humanos, gente. É preciso desconstruir alguns pensamentos e verdades absolutas para entendermos nosso lugar no mundo. Sem nós não há vida, a roupa que vestimos não faz de nós uma porta aberta para o outro, e se estudamos e trabalhamos o mesmo tanto, merecemos o mesmo dinheiro, prestígio e reconhecimento. Ponto. Todo mundo tem que saber e aceitar esses fatos, apenas porque é a coisa justa e certa a se fazer. Para que complicar?

Todas nós somos diferentes, mas somos iguais em várias coisas. Somos e temos corações pulsantes, desejos intermináveis, sonhos que se multiplicam, somos as vias de mudança que tanto queremos.

Também somos pessoas, que pensam diferente, querem diferente, mas posso dizer, com toda certeza, que do outro lado aí da tela, você também quer um mundo mais legal, tranquilo, que flua, sem negatividade, sem tanta competição, inveja, maldade. Eu falei lá em cima que o segredo é o respeito, a empatia, e é por aí mesmo. We run the world!

Homens, respeitem! A gente não precisa de nenhum idiota na nossa vida não, de atraso de vida já basta a menstruação.

Mulheres, respeitem! Sororidade também é uma palavra banalizada, mas tem um significado tão lindo!

Respeite a mulher que você é. A mulher que sua mãe é, sua irmã, sua amiga e aquela desconhecida que você nunca mais vai cruzar caminhos. Quando a gente respeita, quer bem, torce e ajuda, todas crescemos, vamos além. Vamos fazer história! Existe sol para todas, ele é a estrela e todas nós somos os raios. E não precisamos cansar. Nem brigar. Nem com nós mesmas, nem com os homens, nem com outras mulheres.

Força e paz são amigas e caminham juntas. Que o discurso se transforme em uma prática tão saudável e normal no nosso dia a dia que acabe virando uma prática automática! Que cheguemos onde nascemos para estar. Somos a força do mundo.

"1 dia para lembrar quem manda nos outros 364"
Feliz dia, amigas!


Nenhum comentário:

Postar um comentário